A Sombra do Vento

A_SOMBRA_DO_VENTOA Sombra do Vento
De Carlos Ruiz Zafón

Sinopse: A Sombra do Vento é uma narrativa de ritmo eletrizante, escrita em uma prosa ora poética, ora irônica.

Tudo começa em Barcelona, em 1945. Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível: em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos. O lugar, conhecido de poucos barceloneses, é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de “A Sombra do Vento”, do também barcelonês Julián Carax.

O livro desperta no jovem e sensível Daniel um enorme fascínio por aquele autor desconhecido e sua obra, que ele descobre ser vasta. Obcecado, Daniel começa então uma busca pelos outros livros de Carax e, para sua surpresa, descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu. Na verdade, o exemplar que Daniel tem em mãos pode ser o último existente. E ele logo irá entender que, se não descobrir a verdade sobre Julián Carax, ele e aqueles que ama poderão ter um destino terrível.

Minha opinião: Um romance impecável! Peguei emprestado de uma amiga minha que me garantiu que era excelente, então as expectativas foram altas.

A história é ótima! Cheia de mistérios, romance, ação, drama… mas o jeito como ela é escrita infelizmente não me agradou 😦 Gosto quando a leitura é mais dinâmica e você lê 20 páginas sem se dar conta. Nesse caso, eu sentia cada página que lia porque precisava de muita atenção e dedicação.

Enfim, nem sempre um livro agrada 100%, né? Mas preciso dizer que esse livro é uma obra prima! Aquele que serve de base para tantos outros que vem depois, porque combina diversos aspectos da vida com um turbilhão de sentimentos.

Todos os personagens são muito bem trabalhados e você se envolve com todos eles, lamentando suas perdas e comemorando suas vitórias. É bem envolvente!

Confesso que comecei a ler achando que a história era outra, completamente diferente, então fui me surpreendendo a cada página. É um livro maravilhoso e acho que todos deveriam ler. Como eu disse antes: É uma obra prima da literatura!

Bjs
Marina

Orgulho e Preconceito – Jane Austen

semana_namorados

Oi gente,

Hoje vou falar de um livro que faz muiiito tempo que eu li e pretendia relê-lo para fazer a resenha, mas não deu tempo! 😦 sorry.. vou deixar também um recado.. este post ficou imenso….

ORGULHO_E_PRECONCEITO_1230587763P Apesar de ser considerado um clássico, só fui conhecer Orgulho e Preconceito a partir do filme lançado em 2005. Amei o filme, apesar de ter tido que escutar o tempo inteiro reclamações sobre como a história era parada e sem graça (principalmente da Marina). Mas tá, admito que o começo da história, tanto no livro quanto no filme é meio sem graça… e ponho a culpa no Sr. Collins (quem conhece me entendeu, e quem não conhece não queira conhecer – isso porque ele é personificação de tudo que há de sem graça, pedante e irritante em uma pessoa) + enfim.. vou explicar direito sobre a história para ninguém ficar perdido…

Bom, fãs de Jane Austen, por favor, não me matem + devo dizer que gostei mais do filme do que do livro… isso por que eu me apaixonei pela história através filme e tive um pouquinho de dificuldade com o livro. Não sei se foi a tradução, ou a combinação de expressões diferentes, mas algo no livro não me permitiu amá-lo tanto (pode ter sido uma falta de preparo da minha parte para lidar com uma forma de escrita diferente do que estava acostumada). Mas isso não quer dizer que eu não tenha gostado do livro…. eu gostei e muito…. isso porque esse este casalzinho que se odeia + se ama, sempre foi meu tipo de casal preferido….

Para quem não conhece, este livro conta a história da Elizabeth Bennet e do Mr. Darcy. Durante o livro temos outros casais e algumas histórias que vão se desenrolando, mas o foco está no fato do Mr. Darcy “esnobar” a Elisabeth, por seu julgamento precipitado  sobre ela. Pausa para comentário: é óbvio que qualquer um com um 1/3 da inteligência do Fitzwilliam Darcy  também pensaria assim sobre a família Bennet… afinal a mãe dela não tem o mínimo de descrição, é mal educada, e sinceramente passa o livro inteiro em busca de um marido rico para as filhas…. sei que tem muitas pessoas que gostam e conseguem ver um lado bom na Sra. Bennet, mas tudo que consigo ver é a crítica por trás desta personagem aos costumes da época e a posição das mulheres na mesma. Me revolto, por que, mesmo que ache lindoooo os romances desta época (1800 e bolinha), a sociedade como um todo precisava urgente reformular seus propósitos, objetivos e a sua forma de organização.

Voltando… os acontecimentos do livro são todos influenciados pelo fato do Mr. Darcy pré julgar a Elizabeth e ela fazer o mesmo com ele, devido à atitudes dos mesmos ou de terceiros, ou devido à boatos  sobre eles. Enfim, no livro presenciamos momentos em que a Elizabeth toma na cabeça pelo seu julgamento precipitado, e outros em que o Mr. Darcy leva um fora  por ter agido baseado em seus preconceitos. Ou seja, o título já diz tudo:  os dois são muito orgulhosos e prejulgaram um ao outro. Apesar da história estar repleta de momentos em que não conseguimos acreditamos no que um deles fez, ela nos faz sentir o quanto um foi importante na vida do outro e como o mundo deles muda após terem se conhecido… 🙂

Os personagens da história são bem marcantes, eles têm características bem exaltadas, como o Sr. Collins (que é um chato de galocha), o Sr. Bingley (que é uma boa pessoa, mas ingênuo e bobinho), a Caroline Bingley (que é uma vadia, dito), a Lady Catharine (que é uma bitch ainda maior), o Sr. Bennet (que é recluso e tem uma paciência para agüentar a Sra. Bennet que eu vou te falar).. enfim a gente acaba se apaixonando pela história e pelos personagens dela cada vez mais.

Bom, eu adorei a história, achei um romance lindo e que te faz, a todo momento, querer estar nesta história. Apesar de estar longe de ser perfeito, este livro serviu (e ainda) serve de inspiração para diversos autores, afinal o Sr. Darcy (coloquei em português agora) é aquele homem bonito, rico, educado que todas as mulheres gostariam de ter em casa, e a Elizabeth é uma mulher avançada para a época e com coragem para peitar qualquer marmanjo…ou seja..  é uma história que vale a pena conhecer!

Recomendo este livro para aqueles que gostam de romance, histórias de época e que estejam preparados, pois apesar de acontecer bastante coisa no livro, a história acontece ao seu tempo, ou seja, tem  momentos que a história vai ser mais parada mesmo. Para aqueles que não estão preparados para ler um clássico recomendo o filme, simplesmente porque ele é muito bom! E para quem não tem paciência para os clássicos, recomendo ler livros atuais inspirados nesta história, como por exemplo, Perdida da Carina Rissi (vem resenha na sexta sobre ele), onde a história tem um ritmo mais rápido.

Segue o trailer do filme Orgulho e Preconceito lançado em 2005, e fica aí também uma frase do filme que tira meu fôlego toda vez que eu assisto: “you have bewitched me body and soul and i love i love i love you”

O livro também serviu de inspiração para uma minisérie que merecia uma resenha própria, por ser maravilhosa e por nos permitir olhar para esses queridos personagens de outra forma…… ou não… + vale muito a pena assistir. A série conta a história da Amanda que é tele transportada para a história do livro Orgulho e Preconceito, trocando de lugar com a Elizabeth. Segue o trailer (pena que não encontrei ele com legenda) da minissérie Lost In Austen.

Bjos,

Julia